Banquinhos - um verdadeiro curinga do décor

30 abril 2015

Oriundos da cultura indígena, os bancos são um verdadeiro curinga na decoração. Esse elemento agrega descontração aos ambientes e pode fazer a linha mais sofisticada, rústica ou clean.


_DSC92483_web


Se existe um móvel que pode ser chamado de versátil, esse móvel é o banquinho. Além de poder exercer várias funções, ele também traz despojamento e descontração, uma vez que quebra com a formalidade de qualquer ambiente. O banco pode, inclusive, se adequar à realidade do espaço e ser, ora mais refinado, ora mais simples.


_DSC92603_web“De fato, os bancos são bastante democráticos. Além de exercer a função de assento é muito comum ver as pessoas os utilizando como mesa, descanso de pé e até mesmo de escada, por isso, esse móvel é especificado para os mais diversos ambientes”, destaca a arquiteta Estela Netto.

Quem também é adepta desse móvel é a designer de interiores e artista plástica Analu Guimarães, do escritório Na Lupa Design. Ela conta que os bancos têm aparecido com frequência na decoração nas mais diferentes configurações. “Alguns são também chamados de ‘city garden’ ou apenas ‘garden’ quando são de cerâmica ou metal, com design, geralmente, de influência oriental”, acrescenta.

Analu reforça um dos papeis primordiais desse móvel no espaço: “O que importa é que os bancos são peças lindas, utilizadas para dar mais movimento a uma composição abaixo de mesas laterais ou simplesmente para compor o lugar geralmente reservado para pufes”.

DSC_0260


Para Maria Cristina Bahia, sócia-proprietária da loja Villa Maria, especializada em soluções para dormitórios, os bancos podem até se tornar protagonistas no espaço. “Os banquinhos vêm para dar um toque de charme ao ambiente. Acho bem interessante ter ousadia na mistura de elementos, estilos e cores para que esse móvel possa ser realçado no todo do décor”, pondera a profissional.


_DSC5706menor


Estela lembra de um papel muito importante que os bancos exercem. “Os bancos são originários da cultura indígena. Eles incorporavam todo simbolismo da tribo onde haviam sido forjados. Por isso, mesmo que haja bancos mais requintados e chiques, esse móvel preserva essa cultura e mantêm o cruzamento do processo industrial e artesanal”, constata a arquiteta.


Fonte: Mão Dupla Comunicação

Imagem galeria
Imagem galeria
Imagem galeria
Imagem galeria

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório