Consciência Sustentável | Blog Corporativo MRV Engenharia -€“ Mercado Imobiliário e lançamentos de apartamentos e casas

Encontre seu imóvel

Consciência Sustentável

28 abril 2011



Ele nas­ceu em Be­lo Ho­ri­zon­te. Ain­da crian­ça, mo­rou na Ave­ni­da Pas­teur. Gos­ta de jo­gar tê­nis no fim de se­ma­na, de Bos­sa No­va e tem fa­ma de ser exi­gen­te. Co­man­da um ti­me de 27 mil fun­cio­ná­rios e li­de­ra o mer­ca­do de cons­tru­ção ci­vil no seg­men­to de imó­veis pa­ra as clas­ses mé­dia e bai­xa. Ru­bens Me­nin, fun­da­dor e di­re­tor da MRV En­ge­nha­ria, elei­to o En­ge­nhei­ro do Ano 2010, pe­la So­cie­da­de Mi­nei­ra de En­ge­nhei­ros (SME), é prá­ti­co, jei­tão sim­ples, meio tí­mi­do, meio des­con­fia­do e fa­la rá­pi­do, mui­to rá­pi­do.

Um dos men­to­res do Pro­gra­ma Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da, lan­ça­do em 2009 pe­lo go­ver­no fe­de­ral, ele par­ti­ci­pou, a con­vi­te da en­tão mi­nis­tra da Ca­sa Ci­vil e atual pre­si­den­te, Dil­ma Rous­se­ff, do se­le­to gru­po res­pon­sá­vel pe­la ela­bo­ra­ção do em­brião do pro­gra­ma.

Em en­tre­vis­ta à Re­vis­ta Ecológico, em seu es­cri­tó­rio, na Ave­ni­da Ra­ja Ga­bá­glia, Me­nin faz um ba­lan­ço das con­quis­tas e de­sa­fios do se­tor e afir­ma que sua em­pre­sa - pre­sen­te em mais de 90 ci­da­des de 15 es­ta­dos e no Dis­tri­to Fe­de­ral e que lan­çou, ano pas­sa­do, 46.975 uni­da­des, um au­men­to de 78% em re­la­ção a 2009 - trans­for­ma seus re­sul­ta­dos po­si­ti­vos em mais qua­li­da­de pa­ra os seus clien­tes. "Pro­cu­ra­mos en­tre­gar mais do que ven­de­mos. Nos­sas obras es­tão fi­can­do ca­da dia me­lho­res, com mais qua­li­da­de."

Re­lem­bra a in­fân­cia, quan­do jo­ga­va fu­te­bol na rua, e con­ta que her­dou dos pais, am­bos en­ge­nhei­ros, a pai­xão pe­la pro­fis­são. "A en­ge­nha­ria faz par­te do meu DNA. Mi­nha mãe foi a ter­cei­ra en­ge­nhei­ra de Mi­nas Ge­rais. Ver uma obra fi­can­do pron­ta me dá mui­to pra­zer. Gos­to de acom­pa­nhar tu­do, de sen­tir o chei­ro das coi­sas. A en­ge­nha­ria é qua­se um di­ver­ti­men­to pa­ra mim."

É o que vo­cê con­fe­re a se­guir:

Co­mo a MRV tem atua­do nas ques­tões li­ga­das à res­pon­sa­bi­li­da­de am­bien­tal? A cons­tru­ção ci­vil é ti­da co­mo um seg­men­to mar­ca­do pe­lo des­per­dí­cio e pe­lo con­su­mo de re­cur­sos na­tu­rais.

Es­sa é uma ba­le­la que se con­so­li­dou, fa­zen­do com que a cons­tru­ção ci­vil se­ja vis­ta co­mo uma fa­ze­do­ra de li­xo. Não é ver­da­de. Ela é uma in­dús­tria pou­co po­luen­te e a maio­ria dos seus re­sí­duos po­de ser rea­pro­vei­ta­da, reu­ti­li­za­da em no­vas cons­tru­ções. Es­se ín­di­ce de per­da, que afir­mam ser de até 30%, tam­bém não pro­ce­de. No ca­so da MRV, con­si­de­ran­do a ques­tão da sus­ten­ta­bi­li­da­de, é im­por­tan­te des­ta­car que um de nos­sos di­fe­ren­ciais é gos­tar mui­to de pai­sa­gis­mo. Es­te ano, plan­ta­mos mi­lha­res de ár­vo­res. Fo­ram mais de 60 mil. Se vo­cê for a uma obra nos­sa ho­je, e vol­tar em dois anos, ve­rá um ce­ná­rio to­tal­men­te di­fe­ren­te, re­no­va­do. Tam­bém só usa­mos ma­dei­ra cer­ti­fi­ca­da e de pro­ce­dên­cia re­co­nhe­ci­da.

A em­pre­sa atua na ado­ção de pra­ças e apoia pro­je­tos so­ciais. Quais são as ins­ti­tui­ções e ini­cia­ti­vas be­ne­fi­cia­das?

Acre­di­ta­mos que, quan­do atua­mos e in­ter­fe­ri­mos nu­ma co­mu­ni­da­de, te­mos de dar al­go em tro­ca. To­da obra cau­sa im­pac­to, in­clu­si­ve so­bre o trân­si­to, com a mo­vi­men­ta­ção de ca­mi­nhões, por exem­plo. Pa­ra com­pen­sar, te­mos atua­do na ado­ção e re­vi­ta­li­za­ção de pra­ças, in­clu­si­ve em Be­lo Ho­ri­zon­te. Ou­tro pro­je­to ba­ca­na que te­mos é o de com­ba­te à pi­cha­ção. In­cen­ti­va­mos as co­mu­ni­da­des a man­te­rem os mu­ros dos seus con­do­mí­nios lim­pos e pin­ta­dos. Afi­xa­mos pla­cas nos mu­ros e nos com­pro­me­te­mos pu­bli­ca­men­te a doar ces­tas bá­si­cas men­sais pa­ra ins­ti­tui­ções as­sis­ten­ciais lo­cais, des­de que os mu­ros se man­te­nham li­vres de pi­cha­ções. Du­ran­te anos, ain­da na ges­tão Cé­lio de Cas­tro e em par­te da do (Fer­nan­do) Pi­men­tel, na PBH, man­ti­ve­mos o nos­so pri­mei­ro gran­de pro­je­to so­cial, o MRV Vi­da. Por meio de­le, ins­ta­la­mos um cen­tro de aten­di­men­to, no Bair­ro Ga­me­lei­ra, e recebemos 12 mil crian­ças, ofe­re­cen­do aces­so a mé­di­cos, den­tis­tas e psi­có­lo­gos. O pro­je­to era mui­to bom, mas exi­gia com­pe­tên­cias e res­pon­sa­bi­li­da­des mui­to gran­des. En­tão, op­ta­mos por apoiar pro­je­tos so­ciais já es­ta­be­le­ci­dos e com com­pe­tên­cia re­co­nhe­ci­da. Um de­les é a Ci­da­de dos Me­ni­nos.

O se­nhor se re­fe­re ao pro­je­to da So­cie­da­de São Vi­cen­te de Pau­lo, do Sis­te­ma Di­vi­na Pro­vi­dên­cia, em Ri­bei­rão das Ne­ves?

Sim. Fa­ze­mos con­tri­bui­ções men­sais ao pro­je­to, que aten­de mais de cin­co mil crian­ças ca­ren­tes. Cons­truí­mos, em par­ce­ria com nos­sos acio­nis­tas, dois edi­fí­cios - com seis apar­ta­men­tos, dor­mi­tó­rios, suí­tes pa­ra pai ou mãe so­cial, sa­la de es­tu­dos, ba­nhei­ros, co­zi­nha e área de ser­vi­ço. A cons­tru­ção foi en­tre­gue em fe­ve­rei­ro de 2009, quan­do as­su­mi­mos o com­pro­mis­so de man­ter os edi­fí­cios e os 200 jo­vens que vão re­si­dir ali por cin­co anos. Mais que apren­der uma pro­fis­são, com di­rei­to à mo­ra­dia, aces­so à edu­ca­ção, ali­men­ta­ção de qua­li­da­de e à prá­ti­ca de es­por­te e ati­vi­da­des cul­tu­rais, os ado­les­cen­tes re­ce­bem orien­ta­ção mo­ral e hu­ma­na. É uma ini­cia­ti­va com­ple­ta, res­ga­ta jo­vens que vi­vem num am­bien­te ruim, li­vran­do-os da rua e das más in­fluên­cias. Quan­do vol­tam à sua ori­gem, têm uma ba­se só­li­da, in­clu­si­ve re­li­gio­sa. Sou ca­tó­li­co e acre­di­to que es­sa for­ma­ção re­li­gio­sa tam­bém é im­por­tan­te, em es­pe­cial nes­sa fa­se da vi­da. In­de­pen­den­te­men­te da re­li­gião, o im­por­tan­te é criar in­fluên­cia po­si­ti­va. Apoia­mos tam­bém os es­por­tes: vô­lei e fu­te­bol. Num pri­mei­ro mo­men­to, as ações eram vol­ta­das pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­di­vi­dual do jo­vem no es­por­te. Ho­je, es­tão con­cen­tra­das mais no mar­ke­ting. O bom atle­ta é sem­pre re­fe­rên­cia, ser­ve de ima­gem.

O lu­cro lí­qui­do da em­pre­sa cres­ceu 116% no se­mes­tre pas­sa­do. Es­ses re­sul­ta­dos têm se trans­for­ma­do em be­ne­fí­cios pa­ra quem com­pra seus imó­veis?

Tra­ba­lha­mos com di­fe­ren­tes pú­bli­cos: clien­tes, fun­cio­ná­rios, acio­nis­tas e a co­mu­ni­da­de em ge­ral, nos­sos stakehol­ders (par­tes in­te­res­sa­das) e pro­cu­ra­mos aten­der to­dos eles. Os acio­nis­tas, pois so­mos uma em­pre­sa de ca­pi­tal aber­to e quem in­ves­te quer re­tor­no po­si­ti­vo; nos­sos fun­cio­ná­rios - ho­je são 27 mil - por meio de trei­na­men­to e dan­do opor­tu­ni­da­de pa­ra que cres­çam na em­pre­sa; e a so­cie­da­de, por meio da ge­ra­ção de em­pre­gos e apoio a pro­je­tos so­ciais. Em re­la­ção aos clien­tes, a gran­de maio­ria dos nos­sos pro­du­tos é pa­ra a clas­se mé­dia. Gen­te que es­tá ad­qui­rin­do o seu pri­mei­ro apar­ta­men­to, o pri­mei­ro de­grau. E en­ca­ra­mos is­so com to­da tran­qui­li­da­de, por­que sem­pre pro­cu­ra­mos en­tre­gar mais do que ven­de­mos. Nos­sas obras es­tão fi­can­do ca­da vez me­lho­res, com mais qua­li­da­de. E te­mos po­di­do fa­zer is­so por­que a em­pre­sa es­tá cres­cen­do. Te­mos con­se­gui­do en­tre­gar mais e com pre­ço me­lhor. Pa­ra nós, lu­cro é o equi­lí­brio da sa­tis­fa­ção en­tre to­dos os pú­bli­cos que te­mos de aten­der.

Mas, na prá­ti­ca, co­mo a em­pre­sa tem alia­do pre­ço e qua­li­da­de aos seus em­preen­di­men­tos?

Apos­tan­do e in­ves­tin­do em efi­ciên­cia. Nos­so pre­ço mé­dio de ven­da de um apar­ta­men­to é R$ 100 mil. Con­si­de­ro es­se apar­ta­men­to mui­to dig­no: é du­rá­vel, bem aca­ba­do e, atual­men­te, tem me­lho­rias não ofe­re­ci­das no pas­sa­do, co­mo pai­sa­gis­mo, la­zer in­ter­no, es­pa­ço gour­met e tam­bém mais se­gu­ran­ça. Es­ta­mos agre­gan­do qua­li­da­de de vi­da aos nos­sos pro­du­tos. A ca­da li­nha lan­ça­da pro­cu­ra­mos ino­var.

Con­si­de­ran­do a eco­no­mia de ener­gia, os imó­veis MRV têm sis­te­ma de cap­ta­ção so­lar?

Mui­to pou­co ain­da. Se eu fos­se pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tor­na­ria obri­ga­tó­rio o uso da ener­gia so­lar nas cons­tru­ções. Ho­je, is­so ain­da é um pro­ble­ma, por­que en­ca­re­ce a obra e não con­se­gui­mos ab­sor­ver es­se cus­to sem re­pas­sá-lo na ven­da. Mas se to­do o se­tor fos­se obri­ga­do por lei, aí sim se­ria com­pe­ti­ti­vo. Só a tí­tu­lo de com­pa­ra­ção: é obri­ga­tó­ria a ins­ta­la­ção de sis­te­ma de pre­ven­ção de in­cên­dio. To­das as nos­sas obras têm e, fe­liz­men­te, nun­ca hou­ve um in­cên­dio em pré­dio nos­so. En­tão, ho­je se gas­ta mui­to mais em pre­ven­ção de in­cên­dio do que com ener­gia so­lar. O mes­mo ocor­re com a água. A exi­gên­cia de ins­ta­la­ção de me­di­do­res in­di­vi­duais dei­xa a cons­tru­ção mais ca­ra, mas sou fa­vo­rá­vel a ela. Ins­ta­la­mos me­di­do­res em to­dos os nos­sos em­preen­di­men­tos, ação que re­duz o con­su­mo men­sal de água do con­do­mí­nio em até 50%. Quan­do o gas­to é co­le­ti­vo, nin­guém con­tro­la, há mui­ta per­da. Quan­do sai do bol­so de quem real­men­te con­su­me, to­dos se em­pe­nham em eco­no­mi­zar.

Co­mo um dos men­to­res do pro­gra­ma Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da, qual é, em sua vi­são, o pa­pel da cons­tru­ção ci­vil?

Es­se pro­gra­ma sur­giu no mo­men­to mais pro­pí­cio pos­sí­vel. Es­tá­va­mos no meio da­que­la cri­se mun­dial, em 2008, um ano mui­to pe­sa­do, in­clu­si­ve pa­ra o nos­so se­tor. In­te­grei um gru­po de re­pre­sen­tan­tes de se­te em­pre­sas que aju­da­ram a de­fi­nir as ba­ses do pro­gra­ma. Pa­ra mim, es­sa de­ci­são de ou­vir, de dia­lo­gar e bus­car a ex­pe­riên­cia do mer­ca­do de­mons­trou sa­be­do­ria por par­te do go­ver­no. Foi um tra­ba­lho in­ten­so, de mais de três me­ses de de­di­ca­ção e afir­mo que o Mi­nha Ca­sa mu­dou a vi­da da cons­tru­ção ci­vil bra­si­lei­ra. Mais que in­cen­ti­var a in­dús­tria nu­ma épo­ca ruim, ga­ran­tiu fa­ci­li­da­des pa­ra a com­pra da ca­sa pró­pria, be­ne­fi­cian­do o ci­da­dão. A cons­tru­ção ci­vil tem um la­do im­por­tan­te, que é o eco­nô­mi­co-so­cial. À me­di­da que vo­cê me­lho­ra as con­di­ções de mo­ra­dia, ti­ra as pes­soas da fa­ve­la, das áreas de ris­co, tam­bém as afas­ta da vio­lên­cia, da in­se­gu­ran­ça, ou se­ja, é mui­to mais que ter ca­sa pró­pria: é ga­ran­tir qua­li­da­de de vi­da, dig­ni­da­de. O go­ver­no que­ria fa­zer is­so, jun­tou ex­pe­riên­cia e co­nhe­ci­men­to e deu cer­to. Mas é pre­ci­so avan­çar, pois ain­da te­mos um ele­va­do dé­fi­cit de mo­ra­dias no país.

Qual é, pa­ra o se­nhor, o si­nô­ni­mo de con­for­to, de qua­li­da­de de vi­da? Há um pa­drão de mo­ra­dia que o aten­da to­das as clas­ses e es­te­ja ao al­can­ce do ci­da­dão co­mum?

In­fe­liz­men­te, o que é bom pa­ra nós nem sem­pre es­tá ao nos­so al­can­ce. Nos gran­des cen­tros em que vi­ve­mos, en­fren­ta­mos pro­ble­mas se­rís­si­mos, prin­ci­pal­men­te de mo­bi­li­da­de. Ve­ja o exem­plo de Be­lo Ho­ri­zon­te, com as mo­to­ci­cle­tas: há mais de um mi­lhão cir­cu­lan­do pe­la ci­da­de. Uma fro­ta des­sas in­via­bi­li­za qual­quer trân­si­to, não tem jei­to. Mas te­mos de mo­rar aqui, não há saí­da. Por is­so, di­go que a qua­li­da­de de vi­da nu­ma ci­da­de gran­de co­mo a nos­sa nun­ca é ideal, co­mo foi no pas­sa­do.

Por quê?

Nas­ci aqui e mo­rei na Ave­ni­da Pas­teur, na Re­gião Hos­pi­ta­lar. Em fren­te à mi­nha ca­sa ha­via uma pra­ci­nha, brin­cá­va­mos e jo­gá­va­mos bo­la na rua. Era se­gu­ro, tran­qui­lo, as por­tas nem eram tran­ca­das. To­dos os vi­zi­nhos se co­nhe­ciam, éra­mos ami­gos e tí­nha­mos um ti­me de fu­te­bol. Cer­ta vez, fo­mos a pé até a Rua dos Cae­tés, no Cen­tro, com­prar ca­mi­sas e es­cu­dos. Is­so quan­do eu ti­nha se­te, oi­to anos de ida­de. Que me­ni­no des­sa ida­de po­de fa­zer is­so ho­je? A vi­da mu­dou. Mo­ro num apar­ta­men­to con­for­tá­vel, mui­to gos­to­so (no Bel­ve­de­re), mas com cer­te­za não é o meu ideal de vi­da. Meu pai ti­nha um sí­tio e meus fi­lhos apro­vei­ta­ram mui­to. Ago­ra, es­tou cons­truin­do uma ca­sa de cam­po, pa­ra pas­sar os fins de se­ma­na com os meus ne­tos. In­fe­liz­men­te, não te­nho co­mo mo­rar lá. Mas, ape­sar de tu­do, Be­lo Ho­ri­zon­te ain­da é uma das me­lho­res ci­da­des pa­ra se vi­ver no Bra­sil.

Seus pais eram en­ge­nhei­ros, o se­nhor tem ir­mãos e fi­lhos que abra­ça­ram a pro­fis­são. É uma pai­xão fa­mi­liar?

A en­ge­nha­ria faz par­te do meu DNA. Mi­nha mãe foi a ter­cei­ra pro­fis­sio­nal de Mi­nas Ge­rais: Mau­ra Me­nin Tei­xei­ra de Sou­za. Te­nho três ir­mãos, dois de­les en­ge­nhei­ros co­mo eu. Dos meus três fi­lhos, dois são en­ge­nhei­ros e, o ou­tro, ad­vo­ga­do: to­dos tra­ba­lham na em­pre­sa e is­so é mui­to ba­ca­na. Des­de me­ni­no acom­pa­nha­va meu pai e sin­to pra­zer em tra­ba­lhar. Te­nho 55 anos (com­ple­ta­dos mês pas­sa­do) e se vo­cê dis­ses­se que te­ria de pa­rar de tra­ba­lhar ama­nhã, fi­ca­ria tris­te, cha­tea­do. En­ge­nha­ria é cons­truir e gos­to dis­so, de ver uma obra fi­can­do pron­ta. É qua­se um di­ver­ti­men­to pa­ra mim. Ape­sar dos mui­tos pro­ble­mas que te­mos de ad­mi­nis­trar no dia a dia acor­do ani­ma­do, por­que fa­ço o que gos­to.

Quais são seus pla­nos pa­ra o fu­tu­ro? O que ain­da fal­ta con­quis­tar?

Gra­ças a Deus, te­nho tu­do o que que­ro e de­se­jo ape­nas que as coi­sas não pio­rem. Que­ro que se man­te­nham co­mo es­tão: cons­truí uma em­pre­sa, te­nho mi­nha fa­mí­lia e meus ami­gos. De­se­jo que a MRV con­ti­nue sen­do uma em­pre­sa de pon­ta, que a mi­nha fa­mí­lia si­ga com saú­de, em paz e que eu pos­sa man­ter as boas ami­za­des. Pa­ra co­roar tu­do is­so, tor­ço pa­ra que o Bra­sil me­lho­re. Há 20 anos, sin­ce­ra­men­te, acha­va que o país não de­co­la­ria. Ho­je, sei que ele é viá­vel, ape­sar de ain­da ter de avan­çar em mui­tos as­pec­tos. No que diz res­pei­to à sus­ten­ta­bi­li­da­de e maior cons­cien­ti­za­ção am­bien­tal, já evo­luí­mos bas­tan­te. O de­sa­fio, ago­ra, é con­ser­tar os er­ros do pas­sa­do, pe­los quais es­ta­mos pa­gan­do um pre­ço al­to. Ho­je, já não se con­ce­be mais um em­preen­di­men­to que cau­se da­nos am­bien­tais, ge­re po­lui­ção. Es­sa cons­ciên­cia exis­te. Da­qui pa­ra fren­te, as coi­sas vão ser ca­da vez me­lho­res.

Fonte: Revista Ecológico

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório