Guia completo para ter bichos de estimação em apartamento | Blog MRV Engenharia

Encontre seu imóvel

Guia completo para ter bichos de estimação em apartamento

25 fevereiro 2019

Guia completo para ter bichos de estimação em apartamento

Se você está pensando em adotar um pet e mora em um edifício, é importante procurar saber mais sobre algumas regras e orientações relacionadas a ter um bicho de estimação em apartamento. Isso é fundamental para preservar o imóvel, garantir uma boa qualidade de vida e segurança aos bichinhos e criá-los sem que incomodem os vizinhos. O respeito é fundamental e deve ser levado em consideração.

Neste post, você verá um guia completo sobre a criação de pets em apartamento. Acompanhe e confira as regras, os cuidados na convivência, os recursos de segurança necessários e tudo o que você precisa saber para não ter nenhum problema relacionado ao seu animalzinho de estimação no seu condomínio.

Conheça as regras do condomínio sobre animais de estimação

Como de praxe, condomínios têm regras. As orientações, proibições e recomendações são impostas para que a convivência seja pacífica e satisfatória para todos. Quando se trata de animais de estimação em apartamento, geralmente há algumas questões pontuadas no estatuto. No entanto, é importante que o morador que já tenha, ou que pretenda adotar um animal, se informe o máximo possível.

Nem sempre o estatuto tem orientações completas sobre a importância de definir bons hábitos na criação dos bichinhos. O bom senso também faz parte disso e cada dono deve agir de maneira adequada. Com essa atitude, o condomínio se torna mais amigável aos pets e também não deixa de ser um local tranquilo para todos os moradores.

Entre regras e determinações, algumas podem ser exigidas, enquanto outras não têm embasamento legal para serem feitas. A seguir, entenda melhor sobre essas limitações e indicações em cada prédio e como elas são impostas para o bem-estar e equilíbrio na convivência dos condôminos.

Limitações impostas

Alguns condomínios têm regras e limitações que buscam tornar o ambiente mais harmonioso. A reunião de condomínio é o momento em que essas questões, geralmente, são discutidas. O intuito é de que os animais não representem nenhum tipo de dor de cabeça para os condôminos. As regras existem para evitar diferentes tipos de problemas, entre eles:

  • comportamento agressivo com moradores;
  • comportamento agressivo com outros animais;
  • incômodos diante de pessoas que têm medo;
  • necessidades fisiológicas feitas nas áreas do condomínio;
  • segurança dos condôminos diante da possibilidade de mordidas e ataques;
  • transmissão de doenças, pulgas e carrapatos;
  • excesso de latidos que podem incomodar.

Cada um desses problemas são realmente possíveis de acontecer e, principalmente, geram desconforto e atritos entre os condôminos. É fundamental que as limitações e regras impostas sejam direcionadas para evitar cada uma dessas possíveis ocorrências. O foco deve ser sempre o bem-estar dos moradores de uma forma geral, impedindo que hábitos de cães e gatos interfiram na política da boa vizinhança.

Cada condomínio determina suas regras de forma própria e específica. O que um atual ou futuro dono de pet deve ficar atento é com relação à real intenção das limitações. Simplesmente impor restrições para desestimular a criação de bichos de estimação em apartamento não é a melhor maneira de conduzir a situação. Diante disso, é plausível questionar decisões.

Entre as regras determinadas, é fundamental que elas tenham direcionamentos para prevenir ao máximo todos os problemas listados. Além de proteger os condôminos, essas regras também são um importante suporte para que os donos criem os bichinhos da melhor forma e em harmonia com o restante do condomínio.

Proibição não é permitida

Por mais que seja comum ver casos desse tipo, proibir bicho de estimação em apartamento não é permitido! Donos precisam saber disso e, principalmente, ter embasamento legal para reivindicar seus direitos se, em algum momento, eles tentarem ser ultrapassados por regras proibitivas.

O Artigo 19 da Lei nº 4.591/64 reforça que o condômino tem todo direito de usufruir de seu apartamento da forma como quiser. A única pontuação nessa lei é que há a necessidade de respeitar as políticas e normas da vizinhança. Diante disso, ter um gato ou um cachorro de estimação não pode ser proibido em momento algum. No entanto, é fundamental seguir orientações básicas.

Donos de pets não podem aceitar qualquer regra proibitiva de ter o animal e criá-lo em casa, porém, regras de circulação e hábitos são muito comuns e não ferem o direito do condômino. Elas visam o bem-estar geral. Por isso, determinações como o uso do elevador de serviço, a obrigatoriedade da coleira em áreas comuns, entre outras, são fundamentais e devem ser respeitadas por todos.

Cuidados necessários

Aos donos dos bichos, cabe praticar o bom senso e adotar cuidados básicos diariamente. O primeiro passo é entender as regras do condomínio e o objetivo de cada uma delas. Assim, a adaptação será a mais tranquila possível. Do contrário, ficará mais difícil saber como adequar seus hábitos e os dos animais para seguir as determinações da melhor forma.

Entre as principais preocupações para manter a boa convivência e o respeito ao condomínio, vale destacar atitudes como:

  • colocar focinheira, em caso de animais mais agressivos;
  • evitar sair sem coleira pelas dependências do prédio;
  • ter cuidado com as necessidades fisiológicas e recolhê-las caso sejam feitas;
  • ter cuidado com crianças, já que muitas têm medo;
  • entender o motivo do latido dos animais e buscar ajuda especializada;
  • evitar deixar o animal sozinho por muito tempo, tendo em vista que ele pode sentir medo e começar a latir incessantemente;
  • ter cuidado com possibilidades de conflitos com outros animais do condomínio, especialmente os de menor porte;
  • levá-lo para passear nas dependências respeitando as regras, como os locais adequados, o uso da coleira e, se necessário, a focinheira;
  • vacinar o animal regularmente.

Saiba como cuidar de um bicho de estimação em apartamento

Pontuada a questão da boa convivência, há uma outra questão muito importante: ter um apartamento organizado com os pets! Agitados ou não, os bichinhos têm suas próprias necessidades, seus hábitos e costumes que variam de uma raça para outra. O grande desafio de criá-los em residências menores é justamente respeitar o espaço deles, oferecer conforto e manter o apartamento organizado.

Para isso, o passo mais importante é educá-los. É fundamental definir o local onde podem fazer xixi e cocô quando estão em casa, criar hábitos que fortaleçam a educação e, se necessário, adestrá-los para que o comportamento seja mais ameno e compatível com um apartamento. Para exigir um animal mais adaptado à casa, é importante também proporcionar os devidos recursos a ele.

Além disso, o fato de ter um bicho de estimação em apartamento também demanda algumas adaptações. A sua rotina vai precisar de ajustes para atender aos bichinhos, assim como a casa deve ser adaptada para que eles sejam bem recebidos e estejam confortáveis. De modo geral, esses hábitos e recursos disponibilizados são também uma forma de conservar a estrutura da residência.

A seguir, saiba o que o animal precisa e o que deve ser disponibilizado a ele para ter um apartamento mais organizado e capaz de proporcionar uma criação com carinho e segurança ao animal.

Local para as necessidades fisiológicas

Cães e gatos precisam ter um local específico na casa onde eles saibam, após serem devidamente ensinados, que podem fazer suas necessidades fisiológicas. É quase como educar uma criança, mas ainda mais importante. Sem essa orientação, os animais podem fazer isso em qualquer local, o que seria muito desagradável, especialmente se os donos não estiverem em casa no momento.

Para evitar esse problema, basta separar um espacinho e oferecer uma estrutura adequada. Os sanitários caninos estão cada vez mais modernos e atrativos aos cãezinhos, podendo ser posicionados em qualquer local da casa, como a área de serviço, varanda ou banheiro. Aos gatos, a boa e velha caixa de areia pode ser uma boa alternativa, ou as mais modernas bandejas sanitárias.

Local para dormir

Os bichos também precisam repousar, assim como os humanos e, para isso, devem ter um local confortável e que os acomodem bem. Há diversas camas para pets, de diferentes tamanhos. Você pode colocá-las onde quiser dentro do apartamento, e o animal vai entender que ali é o espaço em que ele deve dormir diariamente. Esse recurso define e limita a área que o bicho deve ficar quando quiser repousar.

Não determinar esse espaço pode gerar um grande incômodo para os donos. Há pessoas que colocam os bichos para dormir até mesmo na cama, o que não é muito recomendável. Além disso, pode ser um hábito pouco higiênico, por exemplo, se o animal vai frequentemente à rua. Com a determinação do seu próprio local, o apartamento fica bem dividido e a convivência com os pets é harmoniosa.

Opções de lazer e passeios

Um dos grandes problemas de ter bicho de estimação em apartamento é a falta de espaço para que eles corram e brinquem. Isso é necessário para que gastem energia e, naturalmente, também se divirtam. Em um espaço pequeno, essa movimentação fica limitada e coloca em risco os móveis e outros itens da casa. É fundamental levá-los a praças, parques e outros lugares mais amplos.

Alguns condomínios também têm áreas próprias para pets, em que os cachorros e gatos podem ser deixados livres enquanto brincam entre si. Contudo, se não houver essa possibilidade onde você mora, será necessário estabelecer rotinas para que os animais possam correr e brincar. Reserve pelo menos 3 dias da semana para fazer isso, nem que seja durante 1 hora. Isso manterá o bicho menos estressado e influenciará positivamente no seu comportamento.

Atenção à segurança do animal no apartamento

Ter um bicho de estimação em apartamento requer, acima de tudo, precauções sobre a segurança do animal. Muitas vezes, essa questão não é tão considerada quanto outros pontos, mas os pets merecem todos os cuidados necessários. Por mais que o apartamento tenha pouco espaço, ainda assim há riscos que devem ser identificados e minimizados.

Nem sempre os problemas acontecem só dentro de casa. Um ataque a um condômino, por exemplo, pode gerar um risco à pessoa e também ao animal. Cabe ao dono oferecer recursos de segurança que protejam o seu pet tanto no dia a dia quanto em momentos específicos, como quando ele sai de casa e transita pelo condomínio. A seguir, saiba qual é esse aparato, equipamentos e recursos de cuidados e de preservação do animal e de quem o cerca.

Vacinação

A vacinação é um importante mecanismo de defesa aos pets, assim como é para os humanos. A maioria dos cães e gatos precisa ser vacinada logo nos primeiros meses de vida para se manterem livres de doenças. Além de representar uma segurança à saúde do animal, também se estende aos moradores do condomínio, que ficam livres dos riscos de contaminação.

Essa pode ser uma das exigências aos moradores donos de bichos de estimação, passível de multa caso os animais não estejam devidamente vacinados. Negligenciar essa necessidade é colocar em risco a saúde de todas as pessoas que moram no condomínio, além dos outros animais que ali residem e transitam.

Focinheira quando necessário

Alguns animais são menos sociáveis e têm comportamento mais agressivo. Ainda que sejam domesticados, eles podem estranhar pessoas diferentes e atacar como uma forma de defesa. Para evitar isso, a focinheira é um item fundamental e que os donos precisam adquirir. O uso, em alguns casos, é exigido no trânsito pelo condomínio, em que um episódio de ataque pode acontecer.

Cabe aos donos entenderem um pouco melhor o comportamento de seus cachorros e saber se é necessário o uso da focinheira. Em casos de perda de controle do animal, a ausência do acessório pode ser perigosa até mesmo para a própria pessoa que o conduz. Episódios assim podem resultar em ferimentos e até mesmo na morte de outros animais atacados.

Telas de proteção

A altura também pode ser um risco à integridade dos bichinhos, assim como é para crianças pequenas. Nesses casos, as telas de proteção são o melhor recurso para evitar acidentes fatais. Elas podem ser instaladas nas janelas e, principalmente, na varanda, local em que os pets costumam passar boa parte do tempo.

Além disso, restringir um pouco alguns comportamentos dos animais é uma boa ideia. Evitar que eles subam em locais mais altos e fiquem perto das janelas é o ideal. O mesmo pode ser feito quanto às varandas, evitando que eles corram e pulem nesses espaços que representam mais riscos a eles.

Escolha acabamentos adequados para um animal de estimação

A residência também deve estar devidamente adaptado à vida de uma família que tem bicho de estimação em apartamento. Os animais precisam de um local confortável e com poucos riscos à sua saúde, o que, muitas vezes, está diretamente ligado ao acabamento do apartamento. Há também necessidades básicas de conservação. É preciso fazer escolhas acertadas, que não sejam prejudicadas pelo simples fato de viverem pets na sua casa.

Pisos, móveis e até mesmo a tinta da parede precisam ser escolhidos de forma que não atrapalhem os bichos e nem causem nenhuma dor de cabeça para os donos da casa. Lembre-se sempre de que ter um bicho de estimação em apartamento é um compromisso sério e de que você deve levar em consideração o bem-estar do cão e do gato. A seguir, saiba quais são os melhores acabamentos para donos de pets.

Pisos

Pisos bonitos, brilhantes e grandes estão sempre no radar de quem está reformando ou montando uma nova residência. No entanto, eles podem ser muito prejudiciais à saúde do seu animal. Você já viu aqueles vídeos na internet de cães e gatos que escorregam enquanto tentam correr? Saiba que isso realmente não tem graça, justamente porque esse esforço excessivo causa um grande desgaste nos animais.

Toda a força que eles fazem para se locomover gera uma sobrecarga na articulação do animal. Com o tempo, o bicho pode desenvolver problemas mais sérios e que comprometam sua locomoção. Qualquer piso escorregadio pode gerar essa dificuldade para os bichos. Sendo assim, o ideal é optar por antiderrapantes ou pisos mais rústicos, que sejam de fácil aderência às patinhas.

Paredes

É quase impossível criar um bicho em apartamento e evitar que ele coloque as patinhas sujas na parede. As pegadas, mais cedo ou mais tarde, vão aparecer pela casa. Já que não dá para evitar isso, o ideal é ter mais facilidade na hora de limpar. Para conseguir isso, é importante usar tintas que tenham menor capacidade de absorção de sujeiras. Assim, ao ver as marcas, os donos podem remover sem maiores esforços.

Para isso, as tintas mais adequadas para uso são as de acabamento acetinado ou semi-brilhantes. Elas são menos ásperas, ou seja, têm menor aderência a manchas e resíduos gerais. Um pano com água, na maioria das vezes, é o suficiente para remover as marcas. É possível, ainda, encontrar tintas classificadas como "laváveis", que também são bastante úteis e atendem bem a quem tem animais em casa.

Móveis

Os móveis também merecem atenção especial nessa busca de uma casa mais adequada aos animais. Eles não devem apresentar riscos aos bichos e, de preferência, não terem muitos detalhes, o que os torna menos passíveis à possibilidade de danos. Móveis com vidros, por exemplo, representam um risco iminente. Os animais podem se chocar contra eles, causando acidentes perigosos.

Algumas estantes muito altas, por exemplo, também podem ser convidativas para que gatos subam nelas. Nesse momento, itens decorativos podem ser derrubados, causando prejuízos aos donos. É fundamental ter uma estrutura que represente menos riscos e menos chances de causar problemas.

Organize o apartamento para receber o bicho de estimação

Criar um bicho de estimação em apartamento não é uma das tarefas mais simples. No entanto, quando há os devidos recursos e a adaptação necessária, essa missão fica mais fácil, proporcionando mais conforto à família e ao animal. O bem-estar dos pets é fundamental na busca por ter uma residência mais adequada para eles. Cabe aos donos tomar as devidas providências para tornar o local mais receptivo.

Desde a diversão até a alimentação dos animais, tudo deve ser determinado antecipadamente. Isso cria uma rotina, importante para que os bichinhos tenham qualidade de vida. A seguir, entenda melhor quais são os principais pontos de mudança para que uma residência fique pronta para receber animais de estimação.

Separe um armário para brinquedos e itens dos animais

Assim como crianças, um bicho de estimação em apartamento também pode ser bastante bagunceiro! É claro que os animais não têm esse discernimento, então cabe aos donos tentar deixar os itens e brinquedos mais organizados em um local específico. Deixar tudo espalhado pelo chão pode gerar desconforto e até mesmo acidentes.

Para evitar um caos relacionado aos itens dos animais, separe um pequeno armário onde tudo possa ser guardado em segurança. Esse local pode ficar na área, na varanda, na cozinha ou em qualquer outro cômodo da casa, desde que ajude a manter tudo em ordem. Pode ser também um baú ou algum compartimento separado para este fim.

Reserve um espaço para que ele fique ao longo do dia

O animal precisa saber que ele tem um local de convivência na casa. Isso evita que ele passe muito tempo correndo de um cômodo para o outro, o que pode gerar mais sujeira e até mesmo alguns danos a móveis e outros itens. Ao definir esse espaço para o animal de estimação, preencha-o com objetos que sejam do bichinho. Brinquedos e a própria caminha dele são o suficiente para transmitir essa ideia.

Você também pode colocar os potes de comida e de água, o que vai ajudá-lo ainda mais a identificar seu espaço e ficar sempre por lá. Esse costume mantém o restante da casa mais organizada e mostra ao cão ou ao gato que, apesar de poder usufruir de todo o apartamento, determinado espaço está ali reservado para ele.

Ter um bicho de estimação em apartamento não precisa ser um problema para os donos. Ao saber seus direitos e deveres, a convivência com os condôminos se torna mais pacífica e confortável para todos os envolvidos. A adaptação do apartamento também é fundamental para preservar o bem-estar, a saúde e a segurança do animal.

Gostou? Quer receber mais conteúdos como este direto na caixa de entrada do seu e-mail? Assine agora mesmo a nossa newsletter e não perca mais nenhum post!

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório