Mantenha o equilíbrio. Ou não.

09 janeiro 2012

A simetria é um dos preceitos mais importantes da arquitetura. Contudo, é válido arriscar e apostar em ambientes assimétricos, por consequência, mais contemporâneos. Com bom senso, dá para criar composições bem interessantes, mesmo que não sejam iguais proporcionalmente


A simetria é um dos princípios básicos em projetos de arquitetura. Esse preceito sugere que ambos os lados de um ambiente sejam iguais, como se cada lado fosse uma imagem espelhada do outro. Apesar de esse elemento criar ordem no espaço e facilitar a compreensão do ambiente, ele se mostra rígido e nem sempre agrada. Será, então, que é preciso sempre seguir a simetria? Profissionais da área opinam.
“Não é preciso seguir a rigidez quando estamos falando da decoração de um espaço. Claro que a simetria é interessante esteticamente, pois tudo que é simétrico é proporcional e, portanto, belo”, ressalta a arquiteta Renata Basques. Segundo a arquiteta Marina Dubal, a simetria permite um ambiente mais organizado visualmente. Contudo, ela acredita que “a rigidez criada pode deixar os espaços monótonos”.





Ambas as profissionais concordam que em alguns casos a assimetria pode gerar bons resultados. “Com um bom estudo de proporção, pode-se executar o projeto interessante independente de ser simétrico ou não”, explica Marina. Para Renata “às vezes a falta de simetria pode ser positiva, além de uma opção para sair do lugar comum, já que a simetria é tão utilizada na decoração e arquitetura”. Além disso, a assimetria é contemporânea e permite maior flexibilidade na hora de alterar peças e até o layout.
Marina tem algumas dicas para quem quer apostar na decoração assimétrica sem erro: “Existem inúmeras possibilidades quando o assunto é quebrar a monotonia de uma composição simétrica. Uma bela poltrona de design, uma luminária ou quadros deslocados para fora do centro da composição são estratégias interessantes”.


Fonte: Mão Dupla Comunicação/Fotos: Henrique Queiroga

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório