O que acontece se eu atrasar uma parcela do financiamento? | Blog MRV Engenharia

Encontre seu imóvel

O que acontece se eu atrasar uma parcela do financiamento?

26 agosto 2019

Consultor explicando como a pessoa deve proceder quando atrasar uma parcela

Ninguém está livre de revezes na vida financeira, de modo que problemas como atrasar uma parcela de um financiamento da casa própria podem acontecer com qualquer um. Mas, em casos assim, quais são as consequências? Perde-se, de algum modo, tudo que já se pagou, ou, pior, perde-se o apartamento?

O modelo de financiamento utilizado hoje em dia no Brasil prevê que o banco tem o direito de retomar o imóvel, em um sistema chamado de alienação fiduciária. Cada instituição estipula o tempo em que essa medida seria tomada, mas, de acordo com a lei, bastam 30 dias do atraso da primeira parcela para que elas já sejam autorizadas a executar a recuperação.

O que fazer quando as dívidas acumularem

No geral, costuma-se aguardar 60 dias de atraso do pagamento para que o banco resgate o apartamento. A boa notícia, no entanto, é que, mesmo que este processo já tenha se iniciado, ainda é possível negociar com o banco. Basta que se pague as prestações atrasadas e algumas taxas no cartório.

O principal conselho em casos assim é quitar o quanto antes a dívida. Pode parecer contraditório, obviamente, mas é a única solução para que o estrago não seja maior. Se possível, cancele viagens, adie compras desnecessárias, mude hábitos de consumo, abra mão do carro e locomova-se de transporte público. Peça à família para que todos façam um esforço em conjunto, a fim de evitar a execução e a perda do apartamento.

Pedindo ajuda externa

Uma alternativa é pedir um empréstimo, caso a dívida não seja muito grande, já que este tipo de operação costuma vir acompanhada de juros altos e perigosos. Converse, também, com o banco responsável pelo financiamento, na tentativa de reduzir o valor das parcelas e prolongar o prazo do pagamento. Caso nada disso dê certo, verifique a possibilidade de fazer portabilidade de dívida, que é transferir o que se deve para uma outra instituição que ofereça melhores condições.

Quando, por fim, conseguir solucionar de vez o problema, analise o quadro financeiro geral da família para entender se o que aconteceu foi uma situação pontual, ou se o financiamento está pesado demais para as condições da família. Se for este o caso, cogite tentar vender o apartamento e escolher outra opção mais compatível com o seu bolso.

Fonte: Estadão

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório