Tag:  | Blog MRV Engenharia

Encontre seu imóvel

5 dicas para economizar dinheiro para comprar um apartamento

01 setembro 2016

Quando se tem um objetivo importante como comprar um apartamento, economizar ajuda — e muito! — a alcançá-lo. Isso porque quanto maiores forem os recursos que puderem ser utilizados para dar como entrada, mais chances você terá de fazer uma excelente aquisição. Além disso, ter uma boa reserva é fundamental também para custear despesas com cartório e mudança de endereço.
Continuar lendo

Conheça os vilões do inverno e evite aumentos na conta de luz

29 junho 2012

O inverno já começou e assim, como acontece todos os anos, nos próximos meses, alguns aparelhos, como aquecedores, torneiras elétricas, chuveiros com maior potência, entre outros, serão procurados para amenizar as baixas temperaturas dentro de casa e trazer mais conforto aos moradores.Contudo, ao utilizar tais aparelhos é preciso ter atenção, visto que, se não usados de maneira consciente, eles podem se transformar em grandes vilões, aumentando, segundo especialistas, de 20% a 50% os gastos com energia elétrica, dependendo da região do País, do tamanho e hábitos da família.Chuveiros e aquecedoresDentre os principais vilões da conta de luz nesta época do ano, estão, sem dúvida, os chuveiros, os aquecedores elétricos individuais para a água e os aquecedores, sendo que os primeiros representam, aproximadamente, de 25% a 30% do consumo de energia residencial.Por isso, segundo dicas encontrados no site da companhia energética Eletropaulo, é importante evitar banhos demorados e o uso do chuveiro no horário de pico, para não sobrecarregar o sistema elétrico.No caso dos aquecedores para água, quando usar o aparelho, ajuste o termostato de acordo com a temperatura ambiente, pois, se esquentar demais e houver a necessidade de misturar água fria, será desperdício. Ligue o aparelho apenas o tempo necessário e, se possível, instale um timer para tornar automática essa tarefa. Nunca ligue o aquecedor vazio à rede elétrica. Para verificar se está vazio ou não, abra a torneira de água quente com o aquecedor central desligado.
Continuar lendo

O imóvel foi entregue, mas não tem dinheiro para mobiliar? Saiba o que fazer

03 maio 2012

Uma das maiores conquistas dos brasileiros é a realização do sonho da casa própria. E conseguir um lar não costuma ser fácil e, muitas vezes, requerem anos de financiamentos e espera para a entrega do tão sonhado imóvel.No entanto, muitas vezes, nem tudo sai como o planejado. É comum os proprietários receberem o imóvel sem ter uma reserva para reformá-lo ou mobiliá-lo. Nesses casos, o que era um sonho pode acabar virando um pesadelo. Segundo o economista e professor do MBA Gestão de Riscos da Trevisan Escola de Negócios, Cláudio Gonçalves, nesses casos, o principal passo é realizar um planejamento. “O proprietário não pode agir por impulso ou empolgação e assumir novas dívidas, na euforia de se mudar”, explica Gonçalves.Planeje sempreO especialista ainda explica que, nos casos em que o proprietário já mora sozinho, ele deve aproveitar os móveis que tem e não adquirir mais dívidas, no impulso de comprar tudo novo. “As pessoa geralmente tem a ideia de casa nova tudo novo, mas esse é o primeiro passo para cair no endividamento. O indivíduo tem que ter consciência de que agora, além das prestações do financiamento, ele tem gastos com o condomínio, entre outras despesas”, avalia Gonçalves. Fazer um planejamento anual, colocando no papel o quanto você ganha, o quanto sobra e o que é possível fazer com essa reserva.Se o novo proprietário mora com os pais, ele também deve avaliar a possibilidade de alugar o imóvel por um período de um a dois anos, para juntar uma renda extra e ir adquirindo os móveis aos poucos.Segundo imóvelO economista explica que, nas situações em que o proprietário vendeu um imóvel para adquirir outro, ele deve reservar um fundo para a reforma do novo apartamento. Este também deve utilizar os móveis antigos e se livrar do pensamento: “casa nova, tudo novo”. A orientação é deixar para trocar os móveis futuramente e aos poucos, pois nessa fase de transição a última coisa que se deve fazer é assumir novas dívidas.
Continuar lendo